Notícias

  • Home
  • /
  • Notícias
  • /
  • Carteira de vacinação se torna obrigatória no ato da matrícula
vacinação

Carteira de vacinação se torna obrigatória no ato da matrícula

Por Probaby 07 dez 2018

O país acompanhou de perto o que parecia ser impossível vir à tona novamente. Doenças, até então consideradas extintas, voltaram a reaparecer e apressar os pais na busca pela proteção dos seus filhos. Campanhas foram levantadas pelo Ministério da Educação e em todos os veículos o assunto tornou-se um só: a urgência da vacinação das crianças em todo o território brasileiro. Mas como depois de tanta informação o país se deparou em uma situação como essa? A resposta está diretamente relacionada com a baixa procura dos pais pelos postos de vacinação, seguido da proliferação de fakes news em torno das vacinas, além da crença de que essas doenças não retornariam mais.

O fato é que, apesar de todos esses esforços, o aparecimento em larga escala das doenças, a exemplo da poliomielite, em diversos estados, colocou o país em sinal de alerta. Logo, surgiu a ideia de ir além das campanhas na mídia e encontrar um caminho direto com os pais. Pensando nisso, o governo passou a estudar a ideia de tornar obrigatória a apresentação da carteira de vacinação da criança no ato da matrícula. Apesar da medida ser inicialmente criticada pelo MEC, em diversos estados muitas escolas já passaram a adotar essa exigência na prática.

A ideia é que somado a outras medidas, paralelamente, a escola também seja uma incentivadora e ajude no monitoramento de imunização das crianças. Afinal, nenhum pai gostará de ter a matrícula do seu filho atrasada, em até 30 dias, por conta de pendências com a vacinação. Apesar da prática em solicitar a carteira de vacinação já acontecer em muitas unidades, a intenção é que agora seja crucial para impedimento da matrícula. Acredita-se que assim, os pais serão pressionados diretamente a manterem os filhos devidamente imunizados. A medida não tem a intenção de amedrontar os pais, mas conscientizar sobre a sua responsabilidade com a saúde do seu filho através da vacinação.

Embora não tenha havido ainda um decreto oficial sobre o caso, o governo não esconde a intenção em torna-lo real. Avaliando a situação de longe, pode até parecer uma medida um tanto exagerada, já que o processo de vacinação é tão simples. Porém, diante do elevado número de crianças, que ainda permanecem em débito com as vacinas, todo o esforço empenhado torna-se necessário para manter o país longe da volta de surtos a qualquer momento.

Como se antecipar:

A antecipação é sempre a melhor medida em situações como essa, por isso, manter a organização com relação à carteira de vacinação do seu filho, com certeza, facilitará o processo. Listamos algumas dicas que lhe ajudarão a estar em dia com esta documentação e não ser surpreendido tanto pela saúde da criança, quanto pela escola.

1 – Acompanhe as campanhas: toda campanha é divulgada com exaustão em todos os veículos midiáticos possíveis. Sendo assim, é praticamente impossível que os pais não saibam as datas especificas das campanhas. Anote essas datas e crie lembretes que possam facilitar a organização para levar a criança até o posto mais próximo. Nada melhor do que estar atento as notícias e manter-se atualizado sempre, principalmente quando o que está em jogo é a saúde do seu filho.

2 – Deixe a carteira de vacinação à vista: a carteira de vacinação do seu filho precisa ser vista como um documento de grande importância. Assim como o registro de nascimento e outros documentos de identificação, passe a atribuir a carteira de vacinação o mesmo valor. Guardar a carteira em local diferente das outras documentações, certamente, resultará em esquecimento, tudo o que não se pode ter quando falamos em vacinação!

3 – Avalie a carteira de vacinação com frequência: é interessante que os pais recorram a carteira de vacinação com frequência, assim menores serão as chances de surpresas. Não deixe para olhar a carteira do seu filho apenas em períodos de campanhas. Lembre-se que demais vacinas que exigem diferentes dosagens também precisam de atenção, mesmo quando não são veiculadas campanhas.

4 – Não atrase as vacinas: não deixe para depois, não pense que atrasar a dosagem da vacina é “bobagem”. Crie um calendário pessoal e específico com todas as datas que o seu filho precisará da vacinação. Dessa forma, não correrá o risco de cair no esquecimento e prejudicar a saúde da criança.

Realizando medidas como essas, você não precisará se preocupar com a obrigatoriedade de apresentação da carteira de vacinação na matrícula. Pois o seu filho estará com a imunização em dia e devidamente protegido!